Podcasts do Caixa

(Foto: Arquivo Pessoal)
Quando descobri que ia fazer uma viagem para a Disney, minha empolgação foi às alturas. Sim, sou do tipo de pessoa que adora os filmes/desenhos do Walt Disney, sempre fui apaixonada pelas animações e os encantos das histórias, então fiquei extremamente animada com esse passeio. Mas é claro que, diferente dos contos mágicos, um lugar planejado para ser como aquele mundo encantado, mas na nossa realidade, não conseguiria fugir dos defeitos e problemas, como todo parque de diversão. P.S.: aqui vai uma crítica pessoal minha. Sou adepta do “vá e tire suas próprias conclusões”.

Como toda pessoa muito empolgada para entrar no Walt Disney World e se ambientar, tive de comprar as famosas orelhinhas da Minnie (que convertendo para o Real, são bem caras). Pra mim, a primeira heresia começou quando, além do “arquinho” tradicional, foram feitas orelhas até com chifre de unicórnio – eu entendo que é um ambiente bem capitalista e que as coisas são feitas para vender, mas acaba um pouco com a magia da personagem.

Seguindo para dentro do parque, o cenário é de maravilhar até os mais céticos sobre histórias mágicas. Tudo feito a perfeição, cada mínimo detalhe criado para construir um cenário o mais fiel possível aos contos de Walt Disney. Ao final da Main Street, na praça central, surge o famoso Cinderella Castle. Por fora, maravilhoso, perfeito, cheio de detalhes. Por dentro, uma decepção. O castelo é uma passagem para uma das áreas do parque, a Fantasyland – eu, iludida, achava que ia entrar num castelo de verdade, cheio de salas, quartos e riqueza, mas passei apenas por um túnel.
(Foto: Arquivo Pessoal)
Com relação as atrações, existem para todos os gostos e tamanhos, desde tirar fotos com os personagens, até montanhas-russas. Para os amantes das animações de temática alienígena, como Lilo & Stitch, personagens como Buzz Lightyear, ou de algo mais futurístico, aqui vai a dica de amiga: uma das áreas mais legais do Magic Kingdom é a Tomorrowland, que aborda exatamente estes aspectos. Não só isso, como o brinquedo mais maravilhoso de todo o parque, na minha opinião, está bem aqui - a Space Mountain. É uma montanha-russa em alta velocidade, mas o percurso é maravilhoso, justamente porque você faz uma viagem pelo espaço, e juro, parece que você vai conseguir tocar as estrelas que formam o cenário. Durante a fila, informações e imagens de planetas, galáxias, constelações, estão por toda parte, já alimentando a expectativa e curiosidade dos visitantes.
(Foto: Arquivo Pessoal)
O tempo de fila é razoável, levando em consideração a quantidade de visitantes que o parque recebe. Um ponto positivo dos parques da Disney, quando você compra o ingresso para um deles, automaticamente tem direito a três Fast Pass – basicamente você escolhe três atrações e um determinado horário, e, nesse período, você chega e pega uma fila bem menor. Foi o que fizemos com a Space Mountain, e não ficamos nem 20 minutos na fila. Outro ponto muito positivo dos parques, a internet é incrivelmente boa, rápida e de graça.
| Designed by Colorlib